I want to sign up
If you are not yet registered, click here to continue.
languages
log in
subscribe
Galeria Paiva Frade
Auctioneer: Alexandre Paiva Frade
ARTE ATEMPORAL
19 de May às 20:30h
20 de May às 20:30h
Description
Pintores Viajantes do período imperial; Pintores Medalhistas da Academia Imperial e Escola Nacional de Belas Artes; Pintores das coleções italianas em São Paulo do inicio do século XX; Pintores dos movimentos modernistas e pós-modernista; Oratório e Documentos Imperiais; Prataria inglesa, portuguesa e brasileira; Porcelanas Cia da Indias. Arte Sacra. Art Nouveau e Art Deco. Esculturas e Antiguidades.
IMPORTANTE: Esse leilão será apregoado A VISTA. MODALIDADES: DEPÓSITO BANCÁRIO. Entre em contato: (35) 3332 4150. No caso de arrematação os valores deverão ser quitados, em até 72 horas, após recebimento do E-MAIL DE COBRANÇA. O não cumprimento do prazo previsto, Leiloeiro dará por desfeita a venda e, por via de EXECUÇÃO JUDICIAL, cobrará sua comissão e a dos organizadores. DÚVIDAS POR FAVOR CONTATE: (35) 3332- 4150.
Pagination
Sort
Display
150
ESCOLA NACIONAL DE BELAS ARTES - MEDALHA DE OURO / PREMIO VIAGEM

Orlando Teruz
Meninas no Balanço
1971
Medidas: 81 x 101 cm.
Óleo sobre tela

Assinado e datado no canto inferior direito e no verso.

Pintor, professor. Estuda na Escola Nacional de Belas Artes - Enba entre 1920 e 1923, é aluno de Baptista da Costa e Rodolfo Chambelland, tendo, no ano seguinte, sua primeira participação na Exposição Geral de Belas Artes do Rio de Janeiro. Em 1934, recebe Prêmio de Viagem ao Exterior, que usufruí apenas em 1939, quando viaja para França, Holanda e Itália, mas é obrigado a interrompê-la devido à deflagração da Segunda Guerra Mundial, 1939-1945. Trabalha com Lucio Costa e Candido Portinari pela implementação da divisão moderna no Salão Nacional de Belas Artes, que passa a vigorar em 1940. No ano de 1944, integra a Exposição de Pinturas Modernas Brasileiras, realizada na Burlington House, sede da Royal Academy of Art de Londres. Participa em 1951 e 1953 da 1ª e 2ª Bienais Internacionais de São Paulo. Trabalha como professor de pintura no Instituto de Belas Artes da Guanabara em meados de 1950. Seus trabalhos são expostos em diversas mostras individuais, tanto no Brasil quanto exterior, durante os anos 1960, passando também a interar importantes coleções de todo mundo, como as do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, do Museu Nacional de Belas Artes - MNBA e do Museu Hermitage, de São Petesburgo, Rússia. Na década de 1970, inicia com a família a formação de seu museu particular no bairro da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Bid
R$ 22.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 22.000,00 (BRL)
Cotações
$ 3,960.00 (USD)
$ 3,300.00 (EUR)
$ 379.280,00 (ARS)
Cotações
$ 3,960.00 (USD)
$ 3,300.00 (EUR)
$ 379.280,00 (ARS)
151
ENRICO BIANCO (Roma, Itália, 1918 - Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013).
Medidas: 35 x 45 cm. / 76 x 85 cm.
Óleo sobre eucatex.
Colheita da Laranja
1982.

Melhor amigo, compadre e principal auxiliar de Candido Portinari, trabalhou nas obras do Instituto de Artes da Universidade do Distrito Federal - UDF, nos murais do Ministério da Educação e Cultura - MEC, os painéis do Banco da Bahia, além do Painel Guerra e Paz no edifício da ONU, e etc...

Participou da I Bienal de São Paulo, em 1951.

Realizou exposições em diversos países como: México, Portugal, Itália, Estados Unidos, Israel e França.

Bianco pintou especialmente paisagens e cenas do campo, num trabalho que evoca a tradição do “saber fazer” dos grandes pintores, pelo esforço incessante e a elaboração técnica.
Bid
R$ 7.500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 7.500,00 (BRL)
Cotações
$ 1,350.00 (USD)
$ 1,125.00 (EUR)
$ 129.300,00 (ARS)
Cotações
$ 1,350.00 (USD)
$ 1,125.00 (EUR)
$ 129.300,00 (ARS)
152
Armando Romanelli
Obra iconográfica do Rio de Janeiro
Medidas 48 x 33 cm

Armando Romanelii, nasceu em 1945 no Rio de Janeiro
Cursou o Instituto de Belas Artes do Rio de Janeiro sendo discípulo de Edgar Walter, Oswaldo Teixeira e Manoel Santiago.
Recebeu sua primeira medalha de ouro em 1968 num salão julgado por Orlando Teruz, Silvia de Leon Chalréo e Quirino Campofiorito.
De 1965 a 1968 transita do Academicismo ao Impressionismo.
Entre os anos 1968 a 1972, participa de Salões de Arte, recebendo medalhas de ouro, prata, bronze, Menções Honrosas entre outros prêmios.
Em 1973 faz sua primeira exposição internacional, começando na Inglaterra em Londres, seguindo após exposições em Lisboa, Porto, Flórida, Atlanta e no Caribe.
Lançou em 1987 o seu primeiro livro ROMANELLI
Em 2002 lançou o livro Romanelli “As Cores do Tempo”, com uma exposição retrospectiva, na Casa França Brasil Rio de Janeiro.
Em 2009, realizou a pintura de um Painel de 20,00 m² na Igreja Santa Rosa de Lima, Rio de Janeiro.
Romanelli é um impressionante artista da pintura brasileira, que impõe em suas obras características de contraste e luz
Bid
R$ 1.800,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 1.800,00 (BRL)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
153
Iberê Camargo (1914-1994)
Figura nº 43, 1986
Medidas: 78 x 55 cm.
Óleo s/ tela
Ass. inf. esquerdo e datado 18/06/86

"Sem exagero, acredito, a obra de Iberê Camargo encarna hoje a pintura moderna no Brasil. A imagem, corriqueira, adquire no caso valor expressivo de verdade: as suas telas parecem efetivamente encarnar a pintura." ( Ronaldo Brito)

No começo dos anos 1970, aparecem signos e figuras reconhecíveis pontuando as pinceladas grossas de cores indefinidas de sua pintura. De certo modo, esta dinâmica prenuncia a volta à figuração do artista nos anos 1980. O ano de 1980 é particularmente dramático para o pintor, que é preso por ter matado um homem. Ao ser absolvido, em 1982, ele volta a viver em Porto Alegre.
Após esse dramático episódio, sua arte instintivamente retomou o figurativismo, assim permanecendo até seus últimos anos.
Nesses momentos finais o homem corroído pelo sofrimento se purifica, enquanto o artista atinge a plenitude de sua arte para se tornar uma das expressões mais altas da moderna pintura brasileira.
Bid
R$ 300.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 300.000,00 (BRL)
Cotações
$ 54,000.00 (USD)
$ 45,000.00 (EUR)
$ 5.172.000,00 (ARS)
Cotações
$ 54,000.00 (USD)
$ 45,000.00 (EUR)
$ 5.172.000,00 (ARS)
154
ACADEMIA IMPERIAL DE BELAS ARTES - MEDALHA DE OURO / PREMIO VIAGEM

Belmiro de Almeida. (Serro, Minas Gerais. 1858 - Paris, França. 1935).

Busto de Carlos Gomes, acompanha antiga partitura: O Guarany
Escultura em bronze patinado.
Exemplar de maior dimensão encontra-se publicamente exposto, em frente ao Teatro Municipal do Rio de Janeiro.
37 cm.
Assinado.

Estudou na Academia Imperial de Belas Artes
Na década de 1880, viajou a Paris. Em Paris e participou de salões e exposições individuais.
No Brasil, ocupou interinamente, de 1893 a 1896, a cadeira de Desenho Figurado na antiga Escola Nacional de Belas Artes, .
Em 1916 foi contratado pela escola para reger a cadeira de Desenho de Modelo-Vivo.
Fixou-se definitivamente em Paris no fim da Primeira Guerra Mundial.
No Salão Nacional de Belas Artes, conquistou:
Em 1894 medalha de ouro de segunda classe
Em 1921 a grande medalha de ouro.
Sua obra integra o acervo de importantes instituições como o Museu Nacional de Belas Artes.
Belmiro faleceu em Paris no ano de 1935.
20 bids
Bid
R$ 6.350,00 (BRL)
20 bids
Valor do lote
R$ 6.350,00 (BRL)
Cotações
$ 1,143.00 (USD)
$ 952.50 (EUR)
$ 109.474,00 (ARS)
Cotações
$ 1,143.00 (USD)
$ 952.50 (EUR)
$ 109.474,00 (ARS)
155
Imperador Romano, Marco Coceio Nerva, em latim: Marcus Cocceius Nerva ( 30 d. C. — 98 d. C.)
Antiga Escultura em miniatura de bronze finamente lavrado e polido
Medidas: 10 x 5 x 3,5 cm.

Embora se desconheça grande parte da vida de Nerva, é considerado pelos historiadores antigos como um imperador sábio e moderado, interessado no bem-estar econômico, procurando reduzir as despesas do governo. Esta opinião foi confirmada pelos historiadores modernos, um dos quais, Edward Gibbon, chama Nerva e os seus quatro sucessores, os "cinco bons imperadores". A adoção de Trajano como herdeiro finalizou com a tradição dos anteriores imperadores, que nomeavam algum dos seus parentes como filho adotivo, caso não os sucedessem os seus próprios filhos.
Bid
R$ 500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 500,00 (BRL)
Cotações
$ 90.00 (USD)
$ 75.00 (EUR)
$ 8.620,00 (ARS)
Cotações
$ 90.00 (USD)
$ 75.00 (EUR)
$ 8.620,00 (ARS)
156
Delicada estatueta em bronze Ormolu com banho de ouro, fundição francesa do século XIX, figurando camponesa com ganso e bastão à destra. Base oitavada. Medidas: 7,5 x 3 x 3 cm.
Bid
R$ 510,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 510,00 (BRL)
Cotações
$ 91.80 (USD)
$ 76.50 (EUR)
$ 8.792,40 (ARS)
Cotações
$ 91.80 (USD)
$ 76.50 (EUR)
$ 8.792,40 (ARS)
157
Bruno Giorgi
“Torso Feminino”
Escultura em mármore
Medidas: 73 x 23 x 23 cm.

Em Paris 1937 frequenta a Académie de la Grande Chaumière e a Ranson, aluno de Aristide Maillol, conviveu com Henry Moore e Charles Despiau.

Em 1939 integra-se ao movimento modernista brasileiro com Vitor Brecheret e Mário de Andrade. Trabalhou com os artistas do Grupo Santa Helena
Participou da exposição do Grupo Família Artística Paulista.
Bid
R$ 24.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 24.000,00 (BRL)
Cotações
$ 4,320.00 (USD)
$ 3,600.00 (EUR)
$ 413.760,00 (ARS)
Cotações
$ 4,320.00 (USD)
$ 3,600.00 (EUR)
$ 413.760,00 (ARS)
158
Bruno Giorgi
“Andorinha”
Escultura em bronze
Medidas: 25 x 18 x 18 cm.

Em Paris 1937 frequenta a Académie de la Grande Chaumière e a Ranson, aluno de Aristide Maillol, conviveu com Henry Moore e Charles Despiau.

Em 1939 integra-se ao movimento modernista brasileiro com Vitor Brecheret e Mário de Andrade. Trabalhou com os artistas do Grupo Santa Helena
Participou da exposição do Grupo Família Artística Paulista.
13 bids
Bid
R$ 4.200,00 (BRL)
13 bids
Valor do lote
R$ 4.200,00 (BRL)
Cotações
$ 756.00 (USD)
$ 630.00 (EUR)
$ 72.408,00 (ARS)
Cotações
$ 756.00 (USD)
$ 630.00 (EUR)
$ 72.408,00 (ARS)
159
Bruno Giorgi
“Menino Índio”
Escultura em bronze
Medidas: 96 x 27,5 x 20 cm.

Em Paris 1937 frequenta a Académie de la Grande Chaumière e a Ranson, aluno de Aristide Maillol, conviveu com Henry Moore e Charles Despiau.

Em 1939 integra-se ao movimento modernista brasileiro com Vitor Brecheret e Mário de Andrade. Trabalhou com os artistas do Grupo Santa Helena
Participou da exposição do Grupo Família Artística Paulista.
Bid
R$ 8.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 8.000,00 (BRL)
Cotações
$ 1,440.00 (USD)
$ 1,200.00 (EUR)
$ 137.920,00 (ARS)
Cotações
$ 1,440.00 (USD)
$ 1,200.00 (EUR)
$ 137.920,00 (ARS)
160
MUSEU EROTIK BEATE UHSE DE BERLIM - ALEMANHA

Geo Bissell - George Edwin Bissell
Escultura em bronze figurando Sátiro e Ninfa em cena erótica. Medidas: 11 x 22 x 9 cm.

Obra concebida no ano de 1898.
Catalogada no Museu Erotik Beate Uhse de Berlim - Alemanha

Bissell nasceu em New Preston, Connecticut, filho de um pedreiro e cortador de mármore. Durante a Guerra Civil Americana, ele serviu como soldado raso nos 23º Voluntários de Connecticut no Departamento do Golfo (1862-1863) e, ao ser recrutado, tornou-se tesoureiro assistente interino no Esquadrão do Atlântico Sul. No final da guerra, ingressou no negócio de mármore de seu pai em Nova York.

Estudou a arte da escultura no exterior entre 1875-1876 e viveu em Paris durante os anos de 1883-1896, com visitas ocasionais à América.
Bissell também criou obras memoráveis:

Busto do presidente Abraham Lincoln, bem como uma estátua maior do presidente.
Frederic de Peyster , New York Historical Society , New York City , ca. 1875.
Monumento de Chatfield, cemitério de Riverside, Waterbury, Connecticut , ca. 1880.
General Horatio Gates , Saratoga Battle Monument , Saratoga, New York , 1885-1886. [3]
Sam Sloan , Lackawanna Ferry Terminal , Hoboken, New Jersey , 1889.
Estátua de John Watts , representando o político de Nova York com o mesmo nome , Trinity Church Cemetery , 1890.
Painel de baixo-relevo de Robert Burns e Highland Mary , em pedestal de George Anderson Lawson 's Estátua de Robert Burns , Ayr, Scotland de 1891.
Coronel Abraham de Peyster , Sociedade Histórica de Nova York , 1896. Esta estátua ficava no Bowling Green Park de 1896 a 1972 e na Hanover Square de 1976 a 2004.
Estátua de Chester A. Arthur , Madison Square, Nova York , 1898-1899.
Abraham Lincoln , Lightner Museum , St. Augustine, Flórida , 1899.
Chanceler James Kent , Biblioteca do Congresso , Washington, DC , ca. 1899.

Monumentos da guerra civil:

Soldado da União , Monumento da Guerra Civil, Town Green, Colchester, Connecticut , 1875.
Monumento aos Soldados, The Green, Waterbury, Connecticut , 1882-85. [4]
Monumento aos Soldados, Parque do Monumento aos Soldados, Winsted, Connecticut , 1887–1890. [5]
Columbia , no topo do Monumento aos Soldados, Parque Memorial da Guerra Civil, Salisbury, Connecticut , 1891. [6]
Lincoln Memorial (em memória dos soldados escoceses-americanos), antigo cemitério de Calton , Edimburgo, Escócia , 1893.
Busto do Almirante John AB Dahlgren , Smith Memorial Arch , Fairmount Park , Filadélfia, Pensilvânia, 1901–04.
Abraham Lincoln , Lincoln Park , Clermont, Iowa, 1902. [7] Uma réplica da estátua de Bissell em Edimburgo, Escócia.
Bid
R$ 3.500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 3.500,00 (BRL)
Cotações
$ 630.00 (USD)
$ 525.00 (EUR)
$ 60.340,00 (ARS)
Cotações
$ 630.00 (USD)
$ 525.00 (EUR)
$ 60.340,00 (ARS)
160a
Raphael Bordallo Pinheiro (1884-1905)
Raro e muito elegante "PICHORRO" para vinho em cerâmica vidrada, com glazed em monocromo negro com efeito iridescente em quando submetido a luz. Adornado por exuberante guarnição de prata repuxada finamente cinzelada. Marca de manufatura na base, Med.36 x 22 x 30 cm largura .marcas de uso na base. Coleção Particular Rio de Janeiro/RJ.

Nota Biográfica: Raphael Augusto Bordallo Pinheiro foi um artista português, de obra vasta dispersa por largas dezenas de livros e publicações, precursor do cartaz artístico em Portugal, desenhador, aguarelista, ilustrador, decorador, caricaturista político e social, jornalista, ceramista e professor. O Museu Raphael Bordallo Pinheiro, em Lisboa reúne parte significativa da sua obra.
Bid
R$ 5.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 5.000,00 (BRL)
Cotações
$ 900.00 (USD)
$ 750.00 (EUR)
$ 86.200,00 (ARS)
Cotações
$ 900.00 (USD)
$ 750.00 (EUR)
$ 86.200,00 (ARS)
161
Otto Poertzel
Escultura em bronze e marfim,Art Déco, patinada, rosto primoroso, finamente esculpido em marfim.
Os aristocratas. Grupo figurativo de marfim pintado a frio e esculpido em marfim e bronze sobre uma base de ônix, criado por volta de 1925 pelo professor Otto Poertzel
ORIGEM: Alemanha
DIMENSÕES: 51 x 50 x 20 cm.

O título Professor foi-lhe dado em 1913 pelo duque Carl Eduard, o último membro da família governante de Saxe-Coburg e Gotha. Provavelmente porque Poertzel foi um membro fundador da Coburg Art Association, e por suas associações acadêmicas.

Pintura a frio é uma forma de aplicar cor a um bronze após o processo de fundição. Depois de frio, a patina é aplicada.

O período Art Déco envolveu materiais de alta qualidade e acabamentos exóticos e raros. Na época, o marfim era considerado o melhor material para entalhes complexos das figuras que capturaram o sentimento glamoroso, positivo e otimista da época. Figuras dessa qualidade eram caras, mesmo naquela época por causa dos componentes de marfim.

Estas figuras estavam na moda na época por sua aparência esguia. Em um livro de Alberto Shayo, tem uma foto de arquivo da Sra. Edmund Guy com cães Borzoi, no Casino de Paris, que se parece com essa escultura.
Bid
R$ 15.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 15.000,00 (BRL)
Cotações
$ 2,700.00 (USD)
$ 2,250.00 (EUR)
$ 258.600,00 (ARS)
Cotações
$ 2,700.00 (USD)
$ 2,250.00 (EUR)
$ 258.600,00 (ARS)
162
EMILE GALLÉ,

Alt. 29 x 08 x 08cm.
Vaso Camafeu Art Nouveau, de raríssimo formato quadrado, decorado com ramos de flores e frutos de cerejeira que envolvem todo o vaso.
Gravado a ácido e polido à mão. Por causa do vidro pesado, em tons de marrom avermelhados, dourado, laranja e cobre, as cores estão em constante transformação pela luz circundante.

SOBRE:
Não se pode evocar os anos de 1900, do Art Nouveau ou de Nancy sem evocar o nome de Gallé.
O Mestre Vidreiro Emile Gallé sempre quis que sua cidade natal fosse associada ao seu nome e à sua obra. Poucos anos antes de sua morte, lançou a Aliança Provincial das Indústrias de Arte, conhecida como Escola de Nancy de 1901). Objetivava reunir todos os artistas, artesãos e industriais.
A pasta de vidro é conhecida desde a antiguidade, mas nas mãos de Gallé, que tambem foi um industrial, a produção passou de mais de um milhão de vasos durante sua vida.
Gallé foi proprietário da empresa Emile Gallé com mais de 300 funcionários.
O processo de decoração do vidro foi patenteado em 26 de abril de 1898 a foiapresentado no Salon du Champ de Mars em Paris no mesmo ano.
De 1894 a 1904, suas assinaturas em vidro são, na maioria das vezes, assinadas sem o primeiro nome do artista, gravados em camafeu ou em uma cavidade, com um único ou duplo curso.
Após sua morte até 1914, sua esposa decidiu usar a mesma assinatura para todas as produções, independentemente do cenário. A assinatura continuou de 1914 a 1936 pelos sucessores: Paul Perdrizet, Claude Gallé e Emile Lang. O nome da empresa passou à: Maison Gallé e depois Société anonyme des Etablissements Gallé. A produção de peças durante a 1ª Guerra Mundial é estimada em 30.000 exemplares.
Entre 1896 e 1931 estima-se em 1 milhão a produção de peças “Gallé”
Em 8 de maio de 1954 foi inaugurado Musée de l'Ecole de Nancy.
Hoje é, senão o maior nome do Art Nouveau, O maior vidreiro dos anos 1900.
Bid
R$ 3.900,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 3.900,00 (BRL)
Cotações
$ 702.00 (USD)
$ 585.00 (EUR)
$ 67.236,00 (ARS)
Cotações
$ 702.00 (USD)
$ 585.00 (EUR)
$ 67.236,00 (ARS)
163
EMILE GALLÉ,

Floreiro de pasta de vidro
Alt. 31 x 12cm.
Galle Dragonfly Vase

Um impressionante vaso de camafeu GALLE com desenho único de balaustrado abaixo do bocal onde de destacam libélulas voando sobre o lago aquático.
O design aquático Gallé de um lago com nenúfares é um dos designs mais procurados, mas o mesmo design com a atração adicional da dramática libélula em vôo torna-o um vaso verdadeiramente excitante.
O corpo transparente do vaso de banjo é preenchido internamente com um amarelo claro no pescoço e na base, enquanto as camadas externas de ametista sobre o vidro camafeu azul claro foram gravadas com ácido duas vezes para fornecer os detalhes do lago aquático e a impressionante libélula voadora.
A estratificação soberbamente precisa do vidro com azul em vidro transparente fornece um céu azul, enquanto o azul em amarelo fornece água de lagoa verde pálido.
O fundo é fosco para um acabamento acetinado, enquanto a camada externa de vidro camafeu é polida à mão para destacar os detalhes do design.
A assinatura muito fina e sutil escondida entre os nenúfares no lago.
Esse modelo tornou-se tão raro que suas replicas são vendidas, como replicas, com valores superiores a US$ 7.500

SOBRE:
Não se pode evocar os anos de 1900, do Art Nouveau ou de Nancy sem evocar o nome de Gallé.
O Mestre Vidreiro Emile Gallé sempre quis que sua cidade natal fosse associada ao seu nome e à sua obra. Poucos anos antes de sua morte, lançou a Aliança Provincial das Indústrias de Arte, conhecida como Escola de Nancy de 1901). Objetivava reunir todos os artistas, artesãos e industriais.
A pasta de vidro é conhecida desde a antiguidade, mas nas mãos de Gallé, que tambem foi um industrial, a produção passou de mais de um milhão de vasos durante sua vida.
Gallé foi proprietário da empresa Emile Gallé com mais de 300 funcionários.
O processo de decoração do vidro foi patenteado em 26 de abril de 1898 a foiapresentado no Salon du Champ de Mars em Paris no mesmo ano.
De 1894 a 1904, suas assinaturas em vidro são, na maioria das vezes, assinadas sem o primeiro nome do artista, gravados em camafeu ou em uma cavidade, com um único ou duplo curso.
Após sua morte até 1914, sua esposa decidiu usar a mesma assinatura para todas as produções, independentemente do cenário. A assinatura continuou de 1914 a 1936 pelos sucessores: Paul Perdrizet, Claude Gallé e Emile Lang. O nome da empresa passou à: Maison Gallé e depois Société anonyme des Etablissements Gallé. A produção de peças durante a 1ª Guerra Mundial é estimada em 30.000 exemplares.
Entre 1896 e 1931 estima-se em 1 milhão a produção de peças “Gallé”
Em 8 de maio de 1954 foi inaugurado Musée de l'Ecole de Nancy.
Hoje é, senão o maior nome do Art Nouveau, O maior vidreiro dos anos 1900.
Bid
R$ 7.500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 7.500,00 (BRL)
Cotações
$ 1,350.00 (USD)
$ 1,125.00 (EUR)
$ 129.300,00 (ARS)
Cotações
$ 1,350.00 (USD)
$ 1,125.00 (EUR)
$ 129.300,00 (ARS)
164
ESCOLA NACIONAL DE BELAS ARTES - MEDALHA DE OURO

Alfredo CESCHIATTI

Escultura em bronze
Assinada, com selo da Fundição original de CESCHIATTI: Fundição Zani
MEDIDAS: 61 x 167 x 40 cm.
BASE EM GRANITO: 9 x 175 x 46 cm.
PESO APROXIMADO: 150K

DO AUTOR:
Estudou na Escola Nacional de Belas Artes.
Premiado no Salão Nacional de Belas Artes, em 1945.
Conheceu Oscar Niemeyer, que lhe encomendou uma escultura para o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte. CESCHIATTI criou O Abraço, obra de duas mulheres abraçadas. Considerada imoral pelos mineiros, ficou guardada muitos anos até ser finalmente exposta em um jardim da Pampulha.

Em 1960 esculpiu, em granito, As três forças armadas, um dos temas no Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, no Rio de Janeiro.

Tornou-se o principal escultor da nova capital do País em Brasília, com as obras:
As Iaras, em bronze, no espelho d'água do Palácio da Alvorada;
Leda e o Cisne, em bronze, no pátio interno do Palácio do Jaburu;
A Justiça, em granito, em frente ao prédio do Supremo Tribunal Federal;
Os Anjos e Os Evangelistas, na Catedral Metropolitana de Brasília;
As gêmeas, em bronze, na cobertura do Palácio Itamaraty;
Anjo, em bronze dourado na Câmara dos Deputados do Brasil;
A Contorcionista, no foyer da Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional Cláudio Santoro;
Deusa Athena, no saguão da Biblioteca Central da Universidade de Brasília;
Nossa Senhora da Piedade sustentando o Cristo morto, na área fronteira à Basílica da Padroeira de Minas Gerais, em Caeté.
Na nova Capital Federal, fez parte da Comissão Nacional de Belas Artes.
Foi professor de escultura e desenho na Universidade de Brasília.

Do fundidor:
Fundada nos anos 20 a Fundição Zani, situava-se no Santo Cristo, Rio de Janeiro. O proprietario, Amadeu Zani, é o autor de famosos monumentos como: 'Glória Imortal aos Fundadores de São Paulo', no Páteo do Colégio, escultura de Verdi, no Vale do Anhangabaú.

Zani trabalhou três anos no ateliê de Rodolpho Bernardelli. Estudou escultura e desenho em Paris e na Itália. Foi considerado, ao lado da fundição indigena, um dos melhores fundidores do Brasil, não tendo sido superado até os dias de hoje.
Bid
R$ 80.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 80.000,00 (BRL)
Cotações
$ 14,400.00 (USD)
$ 12,000.00 (EUR)
$ 1.379.200,00 (ARS)
Cotações
$ 14,400.00 (USD)
$ 12,000.00 (EUR)
$ 1.379.200,00 (ARS)
165
Art Deco
Bailarina
Escultura em bronze com base em granito.
Medindo: 51 x 38 x 20 cm.
Base: 11 x 11 cm.
Peso 5 kg.
Bid
R$ 2.700,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 2.700,00 (BRL)
Cotações
$ 486.00 (USD)
$ 405.00 (EUR)
$ 46.548,00 (ARS)
Cotações
$ 486.00 (USD)
$ 405.00 (EUR)
$ 46.548,00 (ARS)
166
VIRGILIO DIAS (1956)
160X120 CM.
Óleo sobre tela painel.
"Interior de atelier (Reflexo)", 2006.
Participou da exposição "Virgilio Dias- Cenas do Cotidiano", reproduzido na página 44 do catálogo.

Virgílio Dias Filho nasceu em 1956 no Rio de Janeiro. Em 1974, após um acidente, que o deixou sem o braço direito, a vida o impôs uma nova realidade à ele, que era destro: aprendeu a usar o braço esquerdo e a pintar na SBBA.
Virgílio é um carioca que adora o Centro do Rio, com suas ruas antigas, velhos sobrados como cenário
Como o próprio Virgilio dias diz: "O meu ateliê é muito grande, é a rua, os lugares onde estou naquele momento".
Virgilio dias ganhou vários prêmios:
Em 1978 - S.B.B.A. - XIII Salão de Maio - Medalha de Bronze,
1978 - II Salão Nacional de Artes Plásticas ABD - ABI - Medalha de Prata,
1983 - Museu de Arte de São Paulo - Prêmio Pintura Jovem,
1987 - Sociedade Acadêmica Phoenix Naval - 8o Encontro de Pintores - Medalha de Ouro,
1987 - XI Salão Arquidicese de Belas Artes - Medalha de Ouro,
1988 - XII Salão Arquidiocesano de Belas Artes - Pequena Medalha de Ouro
1989 - III Encontro de Pintura do Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana - Medalhas de Ouro e Prata
Bid
R$ 4.500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 4.500,00 (BRL)
Cotações
$ 810.00 (USD)
$ 675.00 (EUR)
$ 77.580,00 (ARS)
Cotações
$ 810.00 (USD)
$ 675.00 (EUR)
$ 77.580,00 (ARS)
167
VIRGILIO DIAS (1956)
160X120 CM.
Óleo sobre tela painel.
"Aula de ballet", 2006.

Virgílio Dias Filho nasceu em 1956 no Rio de Janeiro. Em 1974, após um acidente, que o deixou sem o braço direito, a vida o impôs uma nova realidade à ele, que era destro: aprendeu a usar o braço esquerdo e a pintar na SBBA.
Virgílio é um carioca que adora o Centro do Rio, com suas ruas antigas, velhos sobrados como cenário
Como o próprio Virgilio dias diz: "O meu ateliê é muito grande, é a rua, os lugares onde estou naquele momento".
Virgilio dias ganhou vários prêmios:
Em 1978 - S.B.B.A. - XIII Salão de Maio - Medalha de Bronze,
1978 - II Salão Nacional de Artes Plásticas ABD - ABI - Medalha de Prata,
1983 - Museu de Arte de São Paulo - Prêmio Pintura Jovem,
1987 - Sociedade Acadêmica Phoenix Naval - 8o Encontro de Pintores - Medalha de Ouro,
1987 - XI Salão Arquidicese de Belas Artes - Medalha de Ouro,
1988 - XII Salão Arquidiocesano de Belas Artes - Pequena Medalha de Ouro
1989 - III Encontro de Pintura do Museu Histórico do Exército e Forte de Copacabana - Medalhas de Ouro e Prata

Bid
R$ 4.500,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 4.500,00 (BRL)
Cotações
$ 810.00 (USD)
$ 675.00 (EUR)
$ 77.580,00 (ARS)
Cotações
$ 810.00 (USD)
$ 675.00 (EUR)
$ 77.580,00 (ARS)
168
CARLOS ARAUJO (São Paulo/SP, 1950)
Medidas: 158,5 x 98,5 cm. / 161,5 x 101,5 cm.
Óleo sobre tela colada sobre madeira

Carlos Alberto de Araújo Filho inicia em 1963 estudos auto didáticos com o painel Alegoria ao Carnaval. Entre 1971 e 1975 cursa engenharia na Universidade Mackenzie, em São Paulo. Em 1973, é convidado a participar da exposição Imagens do Brasil, em Bruxelas. No ano seguinte, faz a primeira exposição individual, no Masp, local em que realiza outras exposições. Além da pintura, trabalha outras técnicas, como desenho e litografia. Lança em Paris, em 1989, o livro de litogravuras Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Na sua obra observam-se elementos da pintura renascentista. No decorrer de sua carreira, realiza diversas exposições individuais e coletivas, no Brasil e exterior. Em 1980, o painel Anunciação, de sua autoria, é enviado pelo governo brasileiro ao Papa João Paulo II. Em 1984, é premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA.

A obra de Carlos Araújo evidencia um perfeito domínio da técnica, aliada ao talento que demonstrara desde criança. Seus temas são cheios de inspiração social: a sociedade brasileira lhe fornece a matéria para transformar em arte as misérias e tragédias humanas. Suas pinturas são carregadas de espectros e assumem um tom metafísico pela definição fugidia das figuras humanas, conquistada através da construção de espaços etéreos, sem profundidade ou peso.
As obras não se concluem onde termina a pintura, elas continuam. Elas parecem ter nascido antes de serem pintadas. É justo, pois, que vivam também além da superfície estrutural. Um sopro espiritual e etéreo envolve suas criações. Trata-se de um sopro que inefavelmente continua muito além.
Ao observarmos sua pintura não nos perguntamos o que é, mas quem é seu autor. Carlos Araújo é um artista além de sua obra. Seu trabalho não é tão somente para ser visto. Não pode ser julgado como o olhamos ou como se julga uma pintura nascida diretamente do olhar, da pincelada, da cor, das relações dos tons. Cada uma de suas obras nasce como nascem os mundos. Cada obra é um mundo à parte. Podemos julgar o mundo?
Seu discurso possui um grande impulso criativo que se adequa à natureza onde o sentimento permanece aquém da emoção. O movimento emotivo precede a interpretação, domina a escolha do tema, seleciona os dados que permeiam a esfera da congenialidade à sua sensibilidade artística.

O artista plástico paulista Carlos Araujo iniciou, há 15 anos, um projeto ousado: pintar 900 telas retratando passagens de toda a Bíblia. Os quadros foram reproduzidos em livro, junto com uma versão ecumênica do texto sagrado, resultando na "Bíblia - Citações", uma edição de 685 páginas, que mede 50cm por 30cm e pesa 7 quilos.

O trabalho agradou Papa Bento XVI a ponto de fazê-lo escrever um prefácio para a primeira edição, que foi lançada no dia 1º de dezembro na Bienal de Arte Contemporânea de Florença, na Itália. A edição ainda traz introdução e apresentação de Dom Mauro Piacenza, arcebispo de Vittoriana, e Dom Emílio Pignoli, 1º Bispo Diocesano de Campo Limpo, respectivamente. O primeiro exemplar foi entregue ao Pontífice em março deste ano, em sua visita ao Brasil. Cada Bíblia vem com uma gravura feita por Carlos Araujo especialmente para a edição - são 35 imagens diferentes com cem cópias cada, totalizando 3.500 exemplares da tiragem em português.
Os resultados desse trabalho, bem como da obra geral de Araújo, se refletem em seu currículo, que conta com exposições no Museu de Arte de São Paulo (MASP - 1979 e 1987), Museu de Arte Brasileira (FAAP - 1984), Bienal Internacional de Arte Contemporânea (Florença - 2007), Casa França-Brasil (Exposição Bíblia Citações, Rio de Janeiro - 2007) e Paris (Exposição Carrousel do Louvre, Paris - 2008) e vários outros centros de arte nacionais e internacionais, firmando Carlos Araújo como um dos principais nomes da arte contemporânea.
O artista retornou à Campo Grande e expôs suas "Pinturas da Bíblia" na Art Galeria Mara Dolzan.
Bid
R$ 45.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 45.000,00 (BRL)
Cotações
$ 8,100.00 (USD)
$ 6,750.00 (EUR)
$ 775.800,00 (ARS)
Cotações
$ 8,100.00 (USD)
$ 6,750.00 (EUR)
$ 775.800,00 (ARS)
169
Juarez Machado
“O Noivo”
Óleo sobre tela
Medidas: 100 x 73 cm.
Rio - 2007
Reproduzido no Livro: "Um passeio pelo mundo de Juarez Machado", página 103.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.
Bid
R$ 40.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 40.000,00 (BRL)
Cotações
$ 7,200.00 (USD)
$ 6,000.00 (EUR)
$ 689.600,00 (ARS)
Cotações
$ 7,200.00 (USD)
$ 6,000.00 (EUR)
$ 689.600,00 (ARS)
170
Juarez Machado
“A Beleza Toreando o Tempo”
Técnica Mista
Medidas: 100 x 70 cm
2006
Reproduzido no Livro: "Um passeio pelo mundo de Juarez Machado", página 135.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.
Bid
R$ 9.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 9.000,00 (BRL)
Cotações
$ 1,620.00 (USD)
$ 1,350.00 (EUR)
$ 155.160,00 (ARS)
Cotações
$ 1,620.00 (USD)
$ 1,350.00 (EUR)
$ 155.160,00 (ARS)
171
Juarez Machado
“Casal na Bicicleta”
Desenho a nanquim e guache sobre papel
Medidas: 22 x 33 cm.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.
Bid
R$ 4.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 4.000,00 (BRL)
Cotações
$ 720.00 (USD)
$ 600.00 (EUR)
$ 68.960,00 (ARS)
Cotações
$ 720.00 (USD)
$ 600.00 (EUR)
$ 68.960,00 (ARS)
172
Juarez Machado
“Casal”
Técnica Mista
2016
Medidas: 70 x 100 cm.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.
Bid
R$ 15.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 15.000,00 (BRL)
Cotações
$ 2,700.00 (USD)
$ 2,250.00 (EUR)
$ 258.600,00 (ARS)
Cotações
$ 2,700.00 (USD)
$ 2,250.00 (EUR)
$ 258.600,00 (ARS)
173
Iberê Camargo - Sem título, 1962 - Guache s/ papel
Ass. inf. esquerdo e no verso
Registrado na Fundação Iberê Camargo - 12 x 16 cm
Bid
R$ 11.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 11.000,00 (BRL)
Cotações
$ 1,980.00 (USD)
$ 1,650.00 (EUR)
$ 189.640,00 (ARS)
Cotações
$ 1,980.00 (USD)
$ 1,650.00 (EUR)
$ 189.640,00 (ARS)
174
Juarez Machado
Sem Título
Medidas: 70 x 100 cm.
Técnica Mista
2015

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.


Bid
R$ 22.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 22.000,00 (BRL)
Cotações
$ 3,960.00 (USD)
$ 3,300.00 (EUR)
$ 379.280,00 (ARS)
Cotações
$ 3,960.00 (USD)
$ 3,300.00 (EUR)
$ 379.280,00 (ARS)
175
Juarez Machado
“Sem Título”
Técnica Mista
Medidas: 113 x 77 cm.
2009
Reproduzido no Livro: "Um passeio pelo mundo de Juarez Machado", página 145.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.

2 bids
Bid
R$ 12.500,00 (BRL)
2 bids
Valor do lote
R$ 12.500,00 (BRL)
Cotações
$ 2,250.00 (USD)
$ 1,875.00 (EUR)
$ 215.500,00 (ARS)
Cotações
$ 2,250.00 (USD)
$ 1,875.00 (EUR)
$ 215.500,00 (ARS)
176
JUAREZ MACHADO
Rio, 1972
Gravura manual limitada, assinada, montada em espelho.
Marca d'água da LITHOS: 39/100.
Med.: 80 X 56 cm.

O artista plástico juarez Machado, pioneiro do desenho de humor na televisão brasileira, teve um quadro de enorme sucesso nos primeiros anos do Fantástico: vinhetas animadas nas quais ele atuava como mímico – ou, na sua própria definição, um “desenhista do gesto” – ao som de um tema composto pelo maestro Júlio Medaglia.

juarez Machado trabalhava como cenógrafo da Globo quando – inspirado na coluna de humor Nonsense, que assinava no Jornal do Brasil – teve a ideia de emprestar o corpo para dar vida aos seus desenhos. No seu quadro, exibido até 1978, juarez interagia com os próprios desenhos e se apresentava com o rosto pintado de branco e vestindo uma fantasia que era uma mistura de boneco e palhaço.

As performances invariavelmente terminavam com o mímico desenhando uma linha de trem, uma passarela ou uma trilha de pegadas, por onde ele caminhava até desaparecer na tela. A estrada sempre foi um tema recorrente na obra de juarez Machado e aparecia representada de várias formas em muito dos seus desenhos.
Bid
R$ 1.800,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 1.800,00 (BRL)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
177
Aquarela
Arco do Triunfo, Paris.
Medidas: 36,5 x 51 cm. / 68 x 82,5 cm.

Bid
R$ 1.800,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 1.800,00 (BRL)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
Cotações
$ 324.00 (USD)
$ 270.00 (EUR)
$ 31.032,00 (ARS)
178
Angelo de Aquino - Vaso de Flores, fundo Carmin,
Frutas e Legumes, 1985 -Acrílica liquitex e argila s/ tela
Ass. verso
Localizado e datado, 1985 - 120 x 100 cm
Bid
R$ 8.000,00 (BRL)
be the first to bid
Valor do lote
R$ 8.000,00 (BRL)
Cotações
$ 1,440.00 (USD)
$ 1,200.00 (EUR)
$ 137.920,00 (ARS)
Cotações
$ 1,440.00 (USD)
$ 1,200.00 (EUR)
$ 137.920,00 (ARS)
Pagination
Contact
Horário de Atendimento: das 12:30h às 17:30h, das 19:00h às 22:00h e em plantão durante os leilões.
Phone iArremate: (35) 99935-4693
E-mail: sac@iarremate.com
Where are we
Pça Ismael de Souza, 11, sala 9H - Estação
São Lourenço - MG
CEP: 37470-000
Plantão durante o pregão
Telefone: (35) 99948-4697
E-mail: suporte@iarremate.com
© iArremate - Portal de Arte (2013-2021) - powered by PPSW
All rights reserved. No part of this web page may be reproduced in any way or by any means without the prior written consent of iarremate.com.
The unauthorized use or copying of any content of this site, including user accounts or products offered will result in permanent account cancellation.